Geologia

Marco geodésico.

Sua área constitui-se de um conjunto de importantes acidentes topográficos e geológicos das Serras do Japi, Guaxinduva e Jaguacoara, compostos de diferentes rochas: quartzitos, granitos e gnaisses.

Lajedos rochosos

Ao longo da Serra do Japi, surgem, esporadicamente, afloramentos rochosos de dimensões variadas, que apresentam vegetação bem característica e diversa das fisionomias florestais anteriormente tratadas. Essas formações foram consideradas por Ab’Saber (1970a, b), como ‘lajedos graníticos com paisagens mais secas que o clima efetivamente pode justificar’. A fisionomia da vegetação é caracterizada pela predominância de plantas herbáceas (Bromeliaceae, Cyperaceae, Eriocaulaceae, Piperaceae, várias Cactaceae) e a eventual presença de arbustos e árvores de pequeno porte, com troncos finos e às vezes retorcidos (família Ericaceae, Celastraceae, Myrtaceae, Compositae e Melastomataceae, em particular). Nessas fisionomias existe uma combinação de componentes que provêm da vegetação de cerrado e de formações xéricas que são atualmente inteiramente estranhas a esta região. Segundo Ab’Saber (1992), essa aridez rochosa talvez represente relictos de vegetação semiárida que pode ter ocorrido na região em períodos mais secos do Quaternário. De qualquer forma, é interessante notar que esta fisionomia de vegetação é claramente um enclave nas fisionomias florestais atuais e certamente não é derivada e tampouco derivou as atuais florestas da Serra do Japi.

 

« página anterior  ~  próxima página »


▲ voltar ao topo


Fundação Serra do Japi

Av. da Liberdade, s/nº – 8º andar ala norte - Jundiaí – SP
(Paço Municipal Nova Jundiaí)
☎ +55 11 4589-8445

Av. Brazil Tãmega s/nº - Jundiaí – SP
(Base Ecológica da Serra do Japi)
☎ +55 11 3317-5058

*Para informações sobre visitas monitoradas (Projeto Nossa Serra) nos finais de semana e feriados ligar para:

☎ +55 11 4589-8566


Fundação Serra do Japi | Desenvolvido por CIJUN