História

Seu nome tem várias justificativas, como a semelhança com o canto de um pássaro (iapi, iapi), e o significado da palavra tupi-guarani iapy (nascente de rios). A riqueza hídrica da Serra, mereceu a denominação de “castelo de águas” por parte de naturalistas europeus, segundo o Professor Aziz Nacib Ab’Saber. Este foi um dos aspectos considerados no processo de tombamento da Serra do Japi pelo CONDEPHAAT, além da existência de um mosaico de ecossistemas representativos em termos de flora e fauna, capaz de funcionar como espaço serrano regulador para a manutenção da qualidade de vida.

A Serra do Japi ganhou sua importância por tornar a paisagem do entorno mais harmônica e bela, por ser uma das raras florestas do mundo sobre um solo quartzítico como revelou sua formação geológica, por possuir uma rica e pouca conhecida biodiversidade, por conter cursos d’água cristalinos, entre outros motivos, ao longo do tempo tornou-se  indiscutível preservá-la. A identidade de Jundiaí está intimamente associada a existência da Serra do Japi, o que fez a população jundiaiense considera-la como o maior símbolo da cidade.

Valentine's day design elements

No início do século XVII, a Serra do Japi era exclusivamente habitada por povos indígenas. Alguns vivam em cias familiares, caracterizando-se pelo nomadismo, outros sedentários, eram de origem Tupi-Guarani. Eles se dedicavam, principalmente, à produção de milho e mandioca, através da agricultura da coivara, ou seja queimavam um trecho da mata e ai realizavam a produção. Quando a terra se esgotava, devido à utilização das queimadas, mudavam para outro local e agiam do mesmo modo. Eram povos guerreiros, bons caçadores e pescadores. Organizavam-se em aldeias compostas por cabanas circulares feitos de troncos e cobertas de palha (oca). Em cada cabana moravam várias famílias aparentadas entre si e o círculo formado por elas era um espaço comum de todos. Parte desta cultura indígena foi, depois incorporada pelos brancos colonizadores, tais como a técnica construtiva e a utilização das queimadas na lavoura. A produção de milho e mandioca era exclusiva de consumo e aos interesses mercantilistas da Coroa Portuguesa.

[ver figura]

Ao longo dos séculos XVII a Serra do Japi destacou-se na atividade agrícola da cana de açúcar, entretanto, poucos eram os engenhos da região ligados à produção de açúcar; a maior parte deles era usada na fabricação de aguardente para consumo local e abastecimento de tropeiros. A lavoura canavieira ostentava seu apogeu e muitos engenhos eram movidos pelas águas do Ribeirão da Cachoeira, vindas do alto da Serra do Japi.

Meados do século XVIII, o número de escravos indígenas e de escravos de origem africana era praticamente o mesmo.

A partir da segunda metade do século XVIII, destacou-se a descoberta das jazidas minerais. Entretanto, foi uma meteórica fase mineradora, por ocasião do ciclo do ouro em Minas Gerais. Com esgotamento das jazidas minerais, retomando-se a cultivo da lavoura canavieira.

A fase canavieira foi substituída pelo cultivo do café a partir de meados do século XIX.

Os bairros da Serra do Japi como: Sítio do Morro, Santa Clara, Japi e Rio das Pedras conheceram a produção cafeeira em grandes propriedades: fazendas Japi, Bonifácio, Ermida, Rio das Pedras, Cachoeira ou Guaxinduva e outras como pequenos sítios, a exemplo o Sitio do Tanque. [regularização fundiária]

No final do século XIX, com a vinda dos imigrantes italianos, nos vales e encostas baixas da Serra do Japi, cultivaram a uva. Em Viagem Mineralógica na Província de São Paulo com José Bonifácio de Andrada e Silva e Martim Afonso Ribeiro de Andrada, em 1821.

Os visitantes registraram o seguinte sobre a Serra do Japi

“Lêem-se observações interessantes sobre a Serra do Japi. Quanto mais nos entranhamos na cordilheira do Japi, mais os montes e bosques nos pareciam levar-se diante de nós. Sobre as colinas e ao longo dos rios e ribeiros. A agricultura em todo este caminho é muito pouca, posto que o terreno seja muito próprio para arroz, mandioca, milho, cana-de açúcar, algodão, etc. A criação do gado é maior do que nos arredores de São Paulo e as matas e campos abundam em caça, principalmente veados, pacas, tatus, antas, jacus, pombas, etc”.

Durante a segunda guerra mundial 1939 a 1945, o País ficou sem combustível, introduzindo o gasogênio para veículos e a Serra do Japi passou a ter sua mata nativa transformada em carvão vegetal e lenha para as ferrovias (ferrovia Santos-Jundiaí foi inaugurada em 1867). A inauguração e a denominação Estrada de Ferro São Paulo Railway Company se manteve até o ano de 1946. A ferrovia, com 159 km, ligava o município de Santos a Jundiaí, tendo como ponto de passagem a cidade de São Paulo. A Serra do Japi, por sua estratégica localização, apoiou expedições de “Entradas e Bandeiras”, especialmente pela estrada de Ferro Santos-Jundiaí, da São Paulo Railway como ponto de apoio logístico de rota, principalmente com o ciclo do café.
Nos anos de 60 e 70 a vitivinicultura na região foi ruim e substituída pelas florestas de eucalipto. Temos como exemplo a Fazenda Guaxinduva, com uma área de 1500. Hectares, 75% de sua área preservada com mata nativa (embaúba, ipês, pau-jacaré, esquilos, veados, pássaros, macacos e cachoeiras e outros. A fazenda localiza-se no Vale Guaxinduva, faz parte do complexo da Serra do Japi, no município de Cabreúva, entre as cidades de Jundiaí, ltu e São Paulo. Até o final dos anos setenta, a fazenda era destinada ao cultivo de uvas para a produção de vinho. Nos anos 80 serviu para produção de

« página anterior   ~  próxima página »


▲ voltar ao topo


Fundação Serra do Japi

Av. da Liberdade, s/nº – 8º andar ala norte - Jundiaí – SP
(Paço Municipal Nova Jundiaí)
☎ +55 11 4589-8445

Av. Brazil Tãmega s/nº - Jundiaí – SP
(Base Ecológica da Serra do Japi)
☎ +55 11 3317-5058

*Para informações sobre visitas monitoradas (Projeto Nossa Serra) nos finais de semana e feriados ligar para:

☎ +55 11 4589-8566


Fundação Serra do Japi | Desenvolvido por CIJUN